Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa
Blog Pontos de Partida
borda

Isra Toledo Tov: "Obra de extrema beleza"

em 26 de janeiro de 2022

Conheci o Isra há alguns anos. Professor na Zona Oeste carioca, ele é um grande divulgador e cultivador das atividades culturais em toda a região, especialmente em Paciência, onde vive. Adorei o comentário dele sobre 'Elefantes no céu de Piedade':

Obra de extrema beleza! Terminei a leitura sem querer virar a última página! Parabéns, Fernando Molica ! Fiquei imaginando um filmaço a partir do enredo do livro! Piedade entrou para o Parnaso da literatura brasileira!!! Corram, cineastas!

Comentários (0)


Carlos Pereira Neto Siuffo: "O romance nos prende, pegou não larga"

em 26 de janeiro de 2022


Comentário sobre 'Elefantes no céu de Piedade' publicado no Facebook pelo advogado Carlos Pereira Neto Siuffo:

Terminei de ler Elefantes no Céu de Piedade de autoria de Fernando Molica . Como imaginei, li em gute em gute, em uma só sentada.O romance nos prende, pegou não larga.

O título baseado numa piada mineira, onde dois caipiras mineiros vêem elefantes como se fossem passarinhos sintetiza o enredo.Sob o olhar de uma criança os elefantes vão surgindo nós céus do Brasil, mas os adultos, por comodidades e motivos diversos, fingem em não vê-los.

Ditadura, casas novas, futebol,Opala( onde no banco inteiriço da frente caberia o mundo), famílias de classe média, em seus silêncios, apoiavam o regime opressor.Mas, como já se disse, a realidade é um soco no estômago e não há como escapar de seus efeitos.

Molica retrata um mundo real vivido por muita gente, pessoalmente me senti dentro da trama.

As pessoas quiseram ver passarinhos no lugar dos elefantes, elas sabiam da ditadura.Assim como hoje, não dar para fingir que nada está acontecendo.

Na época alguns ganhavam, mas havia muito arrocho, fome, prisões,torturas,censura, exílios e muita propaganda do Brasil grande potência e o Ame-o ou Deixei-o.

Hoje temos muita fome e mais de 700 mil mortes pela PANDEMIA. Não dá para continuar vendo elefantes voando...

Comprem e leiam Elefantes no Céu de Piedade, vale muito a pena.

Comentários (0)


Luis Pimentel: "Narrativa certeira, pungente e poética"

em 20 de janeiro de 2022

pimentelefantes.jpg


O querido escritor e jornalista Luis Pimentel, publicou este texto bem legal sobre 'Elefantes no céu de Piedade'. Três meses depois do lançamento é muito bom constatar a ótima recepção do livro e conhecer as diferentes leituras e impressões. Cada observação acrescenta, aponta caminhos, gera novas indagações. Obrigado a todos. Aí vai o texto do Pimentel:

"Tio Alfredo ficou quatro dias preso, sem direito a advogado ou a visita. Tia Laura e meus pais nem sabiam para onde ele tinha sido levado. Dessa vez, a delegacia da Rua Goiás informou que não tinha qualquer registro de sua prisão, por lá não passara. O Opala recém-comprado iria a outras delegacias, a batalhões da Polícia Militar, e nada. Em todos os locais a resposta era a mesma, não havia qualquer informação sobre o tio, O senhor tem mesmo certeza de que ele foi levado pela polícia?"
Famílias comuns em pânico com o vôo baixo da ditadura militar, mostrando as trombas no céu e no chão; marcas de sustos e de covardias de um tempo que quem viveu não esquece (nem deve); um menino impressionado com o tamanho do banco dianteiro de um Opala, uma nova casa para a família, a vida sendo feita "de certezas". Narrativa certeira, pungente e poética do jornalista e escritor Fernando Molica, um dos textos mais enxutos e seguros do jornalismo e da literatura.
"Elefantes no céu de Piedade". Editora Patuá, 2021. @fmolica

Comentários (0)


borda
Clique para entrar no Blog
Uma selfie com Lenin


Estante

O inventário de Julio Reis

O misterioso craque da Vila Belmira

O Ponto de Partida

Bandeira Negra, amor

O Homem Que Morreu Três Vezes

Notícias de Mirandão

Como Organizador

11 gols de placa

50 anos de crime

10 reportagens que abalaram a ditadura

separador
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. Desenvolvimento por Gabriel Lupi
Manutenção por Felipe Elia