Estação Piedade: a biografia de Fernando MolicaEstante: livros públicados pelo MolicaPáginas Amarelas: textos, artigos e outras palavras maisJulio Reis: Biografia, Músicas e PartiturasBlog: Pontos de PartidaFoto MolicaClique para voltar a página principalFoto Molicawww.fernandomolica.com.brEntre em contato com o Fernando MolicaInformações para imprensa
Blog Pontos de Partida
borda

Um tatu e sua carapaça

em 13 de janeiro de 2019

TatuPaula.jpg


Embalado por uma caprichosa edição da Nós, Tatu, romance de estreia da francesa Paula Anacaona, é um divertido - e por vezes angustiante - passeio pelas relações de classe no Brasil, revela um olhar estrangeiro sobre as tensões que marcam o racismo entre nós. Uma visão original - a protagonista, Victoria, é filha de pai negro e mãe branca. E é rica, muito rica, e muito poderosa, preside uma grande empresa que tem sede em São Paulo.

As características da personagem - estrangeira, negra e milionária - permitem que ela tenha uma visão original do nosso cotidiano. Mais: fazem com que viva num permanente desconforto por não saber onde se encaixar numa sociedade desacostumada a conviver com pessoas assim. Nem ela sabe bem como administrar as próprias contradições.

No início do livro, Victoria se depara com o próprio preconceito - estranha quando um negro que usa dreadlocks a chama de "sister", Como assim? "(,,,) não tenho nada em comum com esse rasta, fora a cor da pele, ainda que minha seja mais clara (...)." Ao longo do romance, narrado em primeira pessoa, descobre que sim, tinha muito em comum com o Negro (citado assim, com maiúscula).

Ela percebe que precisava criar o próprio papel, redefinir seus relacionamentos com a própria cor, com outros negros, com o Brasil, com a França, com os pais, com os ex-maridos, Irônica, não abre mão de definições cruéis para personagens que cruzam seu caminho, não poupa nem mesmo aqueles que a recebem num sarau literário promovido na periferia paulistana. Não nega seu lugar de observação, ainda que o saiba limitado. Tão restrito que, para facilitar a busca de si, resolve criar personagens, mulheres que representam diferentes possibilidades para sua vida.

O tatu do título é uma referência à comparação feita por aquele que viria a ocupar o posto de Segundo-Marido: "Você me lembra um tatu. Com sua carapaça, sua armadura de escamas, sua maneia de se enrolar sobre si mesma para se tornar uma bola compacta, impossível de abrir, de incomodar, de penetrar...". O livro narra a tentativa de Victoria-Tatu de buscar uma uma saída, de não ficar apenas rolando por aí num território cheio de armadilhas.

Comentários (0)


'Noir & Blanc'

em 04 de janeiro de 2019

Saiu a capa da edição francesa do meu 'Bandeira negra, amor'. O romance - que recebeu por lá o título 'Noir & Blanc' - será lançado em março pela editora Anacaona.

noirblanc.png

Comentários (0)


Fotos de uma exposição

em 04 de janeiro de 2019

fotosfirmo.jpg

As três fotos, todas do Walter Firmo, estão agrupadas numa mesma parede. Numa, uma baiana desce o Morro da Mangueira; na outra, crianças brincam de mestre-sala e porta-bandeira (a menina usa uma vassoura como mastro); a terceira é tomada pelo no sangue que jorrara da mão do ritmista e que colore o surdo.

As imagens, que integram a exposição O Rio do Samba - resistência e reinvenção, são líricas, belas, emocionantes. Resumem e expandem os saberes, paixões e valores que formam o universo da cultura brasileira. Nelas nos reconhecemos, nos encontramos. Em tempos tão difíceis e cruéis, as fotos nos reconciliam com a nossa história e apontam para um futuro que só será bom se souber respeitar o seu passado, o nosso passado.

Não brinquei de mestre-sala, não desci morro fantasiado, não sei sambar ou batucar. Mas, ao longo da vida, soube aplaudir e me emocionar com quem fez isso por mim - pessoas que, de certa forma, fizeram tudo isso tudo comigo, do meu lado. As imagens tratam de alegria, de reverência, de entrega e de fé - sim, fé além da religiosa, fé em deuses que cantam, dançam e que se incorporam no cotidiano de todos que brincam, trabalham e sonham com um mundo melhor.

A exposição, lotada de imagens e de outras peças igualmente impactantes, fica no Museu de Arte do Rio até o fim de março. É imperdível, essencial. É de deixar a gente tonto, de encher nossos olhos de beleza e de lágrimas.

Comentários (0)


borda
Clique para entrar no Blog
Uma selfie com Lenin


Estante

O inventário de Julio Reis

O misterioso craque da Vila Belmira

O Ponto de Partida

Bandeira Negra, amor

O Homem Que Morreu Três Vezes

Notícias de Mirandão

Como Organizador

11 gols de placa

50 anos de crime

10 reportagens que abalaram a ditadura

separador
© Todos os direitos reservados. Todos os textos por Fernando Molica, exceto quando indicado. Antes de usar algum texto, consulte o autor. Desenvolvimento por Gabriel Lupi
Manutenção por Felipe Elia